O que é o Holter?

O Holter é um monitor portátil que registra a atividade elétrica do coração e suas variações durante as 24 horas do dia ou mais, e pode assim, detectar alterações que, em geral, não aparecem num exame de tempo mais limitado, como num eletrocardiograma gravado para ser lido posteriormente. O monitor recebeu este nome em homenagem a Norman J. Holter, que o inventou, em 1949. Desde então, o Holter evoluiu muito. O primeiro aparelho pesava quarenta quilos e tinha que ser levado dentro de uma mochila. As viagens interespaciais levaram a NASA a aperfeiçoar os mecanismos de gravação do eletrocardiograma para análise posterior.

Para que serve o Holter?

Os registros eletrocardiográficos contínuos fornecidos pelo Holter permitem informações sobre ocorrências eventuais e momentâneas do coração e são utilizados pelos médicos e técnicos para selecionar as áreas de interesse para análise do traçado eletrocardiográfico. O Holter é muito utilizado para diagnosticar alterações nos batimentos cardíacos, nas síncopes ou outras alterações paroxísticas, que muitas vezes não ocorrem durante uma consulta médica. Assim, ele está indicado para pacientes com arritmias cardíacas, palpitações ou perda de consciência. Utiliza-se também o Holter para monitorar o coração depois de um infarto do miocárdio ou de uma cirurgia cardíaca. Os portadores de marca-passo e de desfibriladores têm esses aparelhos ajustados e programados a partir de informações de Holter. O procedimento não comporta riscos e não tem qualquer contraindicação.

Alguns pacientes podem ser sensíveis aos adesivos dos eletrodos, mas as reações, nas raras ocasiões em que acontecem, são muito brandas. A pele onde estavam colocados os eletrodos não deve ser exposta ao sol, de três a cinco dias.